domingo, 30 de janeiro de 2011

Jogador do Flamengo se envolve em confusão com PMs na saída de casa noturna

Rio - Um pequeno acidente de trânsito envolvendo o jogador Everton Silva, do Flamengo, e dois PMs virou um grande caso de polícia na madrugada deste domingo em Jacarepaguá, Zona Oeste da cidade.

Segundo informações da 33ª DP (Realengo), o lateral curtia a noite na casa de shows Kabana do Catonho e, ao sair do local, se envolveu em uma batida com um veículo Palio.

Com o carro parado na pista, um outro automóvel ocupado por dois policiais colidiu na traseira do Palio. De acordo com testemunhas, os militares ficaram exaltados e deram início a uma grande discussão.

Foto: João Laet / Agência O Dia

Jogador teria fugido do local do acidente por não estar com a carteira de habilitação | Foto: Márcio Mercante/ Agência O Dia

Revoltado, um dos PMs sacou sua pistola e disparou em direção ao Palio, perfurando todo o veículo. O delegado Ângelo Lages, responsável pelas investigações, afirma que Everton Silva aproveitou a confusão para fugir do local, uma vez que dirigia sem carteira de habilitação, conforme contaram pessoas que testemunharam o acidente.

A Corregedoria da Polícia Militar foi acionada e encaminhou os dois PMs e os ocupantes do Palio para a delegacia, onde prestaram depoimento. Um dos agentes ficou detido. De acordo com o delegado, o militar será autuado por dano qualificado e disparos de arma de fogo.

Fora de área e dos planos

O delegado Ângelo Lages disse ainda que já tentou por diversas vezes um contato telefônico com Everton Silva para maiores esclarecimentos, mas que o atleta desligou todos os seus aparelhos celulares. "Precisamos investigar qual a responsabilidade do jogador nessa confusão e se realmente ele estava sem habilitação", afirmou.
Apesar de ser jogador do Flamengo, Everton Silva não está nos planos do clube para esta temporada. Ele inclusive foi liberado no início do ano para um período de testes no CSKA, da Rússia - time onde joga o ex-craque rubro-negro Vágner Love.

O DIA ONLINE

sábado, 29 de janeiro de 2011

Cel. Mário Sérgio Comandante Geral da PM é pai de gêmeos

Parabéns

           

Nasceram na segunda feira passada às 7h os filhos gêmeos do Comandante Geral da PM Coronel Mário Sérgio. Os bebês nasceram no Hospital da PM.

Mesmo assim,  o comandante não se arrependeu de, com delicadeza, ter recusado a oferta de um dono de clínica particular para ter os bebês com mais luxo e conforto.

“Filho de PM deve nascer em hospital da PM”.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

PM inaugura UPP no Morro São João, no Rio, na segunda-feira

A 14ª UPP terá um efetivo de 200 policiais.
Unidade atenderá também as comunidades da Matriz e Quieto.

Do G1 RJ

Será inaugurada na próxima segunda-feira (31) a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Morro São João, no Engenho Novo, no subúrbio do Rio. A 14ª UPP terá um efetivo de 200 policiais militares, sendo 35 mulheres, e atenderá também as comunidades da Matriz e Quieto.

Na terça-feira (25), o governador Sérgio Cabral anunciou que todas as comunidades da região de Santa Teresa, no Centro da cidade, vão receber Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

“Toda a região de Santa Teresa, incluindo (os morros) São Carlos, Mineira, Fallet e outros serão pacificados em breve”, afirmou Cabral, durante visita ao Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio.

Segundo o governador, nos próximos dias, homens do Batalhão de Operações Especiais, do Batalhão de Choque e de outras unidades irão reconquistar o território nessas comunidades. O governo pretende pacificar as áreas críticas do Rio até o fim de 2014.

UPP nos Macacos

A 13ª UPP foi inaugurada em outubro do ano passado, no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na Zona Norte. Além do Morro dos Macacos, os policiais também ocupam as comunidades do Pau da Bandeira e Parque Vila Isabel, no mesmo morro.

As outras UPPs funcionam na favela Dona Marta, em Botafogo, no Pavão-Pavãozinho/Cantagalo, entre Ipanema e Copacabana, no Chapéu Mangueira/Babilônia , no Leme, Ladeira dos Tabajaras e Morro dos Cabritos, em Copacabana, todas na Zona Sul do Rio.

A Polícia Militar pacificou também as comunidades do Jardim Batam, em Realengo, e a Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste, e o Morro da Providência, no Centro.

G1 - Rio de Janeiro

Homem chama polícia por não aguentar apetite sexual da mulher

Rio - Um turco procurou a ajuda da polícia, na última quarta-feira depois de ter sido incapaz de satisfazer o apetite insaciável de sua esposa.

Ele alegou aos policiais que não aguentava a demanda constante de sexo. O fato inusitado aconteceu em uma pequena cidade alemã.

Ele chegou a delegacia no sudoeste da Alemanha reclamando que estava dormindo no sofá durante os últimos quatro anos, a fim de escapar das garras da esposa louca por sexo. O casal está junto há 18 anos e têm dois filhos.

De acordo com o jornal inglês Metro Uk, o homem disse à policia que decidiu pedir o divórcio e sair de casa na esperança de finalmente descansar um pouco, principalmente porque ele quer chegar ao trabalho bem descansado.

Ele falou que é impossível descansar, porque sua mulher continua vindo para a sala e  exigindo que ele execute suas funções de marido.

O DIA ONLINE

Militar é presa ao ser flagrada vendendo drogas com a namorada em Belo Horizonte

Belo Horizonte - Uma policial militar foi presa na noite de quinta-feira ao ser flagrada vendendo drogas em um carro estacionado no bairro Diamante, na região do Barreiro, em Belo Horizonte.

De acordo com a polícia, a agente foi localizada depois de uma denúncia anônima informar que, acompanhada de uma outra mulher, ela estaria comercializando cocaína na rua Terezinha Adriana de Castro.

Uma equipe do 41º batalhão abordou o Voyage em que as duas, que seriam namoradas, estavam e confirmou que elas portavam drogas.

No sutiã da militar teria sido encontrado um papelote de cocaína pronto para a venda. Na casa da companheira da policial foram localizados quase dois quilos de cocaína.

Lotada em um batalhão da capital, a PM ficará a disposição da Justiça Militar. A outra suspeita foi encaminhada à Polícia Civil.
Com informações do jornal O Tempo

O DIA ONLINE

Coronel acusado de matar nove pessoas se apresenta à polícia

Curitiba - O ex-comandante do Corpo de Bombeiros do Paraná, coronel Jorge Luiz Martins, acusado de envolvimento em nove assassinatos, se apresentou à polícia no início da tarde desta sexta-feira.

Ele teve a prisão temporária determinada pela Justiça catarinense e está preso no Quartel da Polícia Militar em Curitiba.
Nesta manhã, policiais voltaram à casa do coronel e apreenderam munições compatíveis com as utilizadas nos crimes.

Segundo inquérito policial, o coronel é suspeito de 14 atentados, com nove vítimas fatais, todos contra usuários de drogas do bairro Boqueirão, onde seu filho Jorge Guilherme Marinho Martins, 26 anos, foi morto por assaltantes, em outubro de 2009.

A série de crimes começou em agosto do ano passado, depois que os acusados de matar Jorge Guilherme foram soltos por falta de provas. As vítimas dos ataques não tinham ligação com a morte do filho de Martins, mas os dois assaltantes suspeitos do assassinato de Jorge Guilherme eram viciados.

Desde o início de agosto, 25 pessoas foram assassinadas no bairro Boqueirão. A polícia não informou por quais crimes o coronel está sendo investigado. Segundo testemunhas que sobreviveram aos ataques, Martins passava num veículo escuro e efetuava os disparos.

Bilhetes

Existem relatos de que o atirador deixava bilhete dizendo que ainda restavam mais pessoas a serem mortas e que aquilo seria uma resposta à morte do filho. Por conta disso, se espalharam boatos na vila que Jorge Luiz estaria por trás dos crimes e a informação chegou à Delegacia de Homicídios. A fotografia do coronel foi mostrada a um rapaz baleado na favela, que reconheceu Jorge Luiz como o autor dos disparos.

O advogado de defesa, Eurolino Reis, disse que o inquérito é fraco e sem conteúdo suficiente "para expor um homem que dedicou a vida toda ao Estado e a salvar vidas". "Ele trabalhou 37 anos no Corpo de Bombeiros e chegou no mais alto escalão, e pior, perdeu o filho recentemente e agora perde a liberdade por conta de uma investigação mal feita e tendenciosa", disse, afirmando que o coronel está abalado, mas que vai se apresentar a qualquer momento "e provar sua inocência".

O secretário estadual da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César, afirmou que não existe um grupo de extermínio, e que a ação do coronel foi um fato isolado, motivado pela perda do filho. "O trabalho de investigação foi feito de forma integrada. Todo o inquérito foi submetido ao poder judiciário, que embasou o trabalho expedindo os mandados", disse o secretário.
Com informações do Terra

O DIA ONLINE

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Dois militares são mortos e dois ficam feridos em Caxias, no RJ

Os quatro estavam em um veículo quando foram atingidos.
Suspeito em uma moto teria passado atirando.

Do G1 RJ

Dois sargentos do Exército foram mortos, na madrugada desta quinta-feira (27), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A informação foi confirmada pelo Comando Militar do Leste (CML). Outros dois militares da Aeronáutica, que também estavam no veículo que foi alvejado, estão feridos. Ainda não há informações sobre o estado de saúde das vítimas.

De acordo com o Comando Militar do Leste, um suspeito em uma moto passou atirando contra o carro dos militares. Os dois sargentos chegaram a ser levados para o Hospital Doutor Moacir do Carmo, em Duque de Caxias, mas não resistiram aos ferimentos.

Em nota, o CML informou que o caso está sendo investigado pelos órgãos de Segurança Pública do Rio e acompanhado pelo Comando Militar do Leste.

G1 - Rio de Janeiro

Voluntários denunciam desvio de donativos em Teresópolis

Prefeitura diz que 2 foram presos suspeitos de desviar doações para venda.
Prefeitura divulgou telefones para receber denúncias.

Tássia Thum Do G1 RJ, em Teresópolis

Ginásio poliesportivo é um dos maiores locais de distribuição de donativos

Ginásio poliesportivo é um dos maiores locais de
distribuição de donativos (Foto: Tássia Thum/G1)

As doações para os desabrigados na tragédia causada pela chuva na Região Serrana do Rio lotaram galpões, abrigos e ginásios poliesportivos. Diante do fácil acesso a roupas, comidas, água potável e itens de higiene começaram a surgir casos de desvio de donativos nas cidades.

A Secretaria de Segurança de Teresópolis afirmou que duas pessoas já foram presas acusadas de praticar o crime no município. No ginásio poliesportivo Pedrão, principal ponto de distribuição das doações, os voluntários estão atentos para reprimir a prática ilícita.

Roupas e tênis

O aposentado João de Oliveira Campos, de 68 anos, é um dos coordenadores voluntários do Pedrão. Ele conta que já viu pessoas tentando furtar, principalmente roupas e tênis, do local. Segundo o aposentado, uma das táticas adotadas pelos criminosos é a de se passar por voluntário na organização dos donativos no ginásio.

Voluntários estão atentos para evitar o desvio de donativos

Voluntários estão atentos para evitar o desvio de
donativos (Foto: Tássia Thum/G1)

Para evitar o crime, João passou a ficar de olhos atentos e ensinou seu grupo de voluntários a perceber quando há pessoas com o intuito de desviar as doações.

“No início, quando tudo estava uma bagunça e tinha muita gente ainda morando no Pedrão, eu vi um grupo de sete jovens, que não eram de áreas atingidas pela chuva, recolhendo várias sacolas com roupas. Quando eu percebi, essas pessoas estavam com o crachá de voluntário, então eu tive que me exaltar e pedi que eles não voltassem mais. É muito injusto tirar aquilo que as pessoas estão necessitando”, diz o aposentado.

Voluntário viaja 32 horas até Teresópolis

O analista de controle Eberson Costa enfrentou 32 horas de viagem de Roraima a Teresópolis, especialmente para trabalhar como voluntário. Ele afirma que resolveu ir à serra ajudar as vítimas da chuva, após perder a esposa e o filho de 2 anos em um deslizamento de terra provocado pelo temporal em Blumenau, Santa Catarina. O episódio aconteceu em 2008.

Eberson virou voluntário após perder esposa e filho na tragédia provocada pela chuva em Blumenau, em 2008

Eberson virou voluntário após perder esposa e filho
na tragédia provocada pela chuva em Blumenau
(Foto: Tássia Thum/G1)

Eberson está ajudando na distribuição de donativos em Teresópolis há uma semana. Ele conta que durante o período, já presenciou algumas pessoas indo ao Pedrão por repetidas vezes para buscar colchonetes.

“A pessoa diz que mora com quatro pessoas, aí vem aqui e leva seis colchonetes, depois no dia seguinte chega aqui para buscar mais colchonetes de novo. Agora, tento gravar a fisionomia das pessoas e saber o que elas buscaram nas visitas anteriores”.

A estudante Camila Gonçalves também faz parte do time de voluntários no Pedrão. Ela conta que já desmascarou uma “colega” de trabalho, que tentou desviar quatro sacolas de roupas.

“Nós começamos a perceber que ela só ficava num canto separando roupas, aí depois vimos que ela saiu por três dias seguidos com sacolas. Na quarta vez nós seguimos ela, aí não teve mais jeito, a farsa foi descoberta e ela não teve outra saída a não ser devolver as peças”, relata.

A guia da prefeitura especifica o material e a quantidade de pessoas que solicitaram a doação

A guia da prefeitura especifica o material e a
quantidade de pessoas que solicitaram a doação
(Foto: Tássia Thum/G1)

Pedido de donativos

Antes de recolher os donativos, as pessoas atingidas pela chuva precisam requerer uma guia na Secretaria de Assistência Social solicitando os itens necessários à família. Além disso, elas precisam informar o endereço e o número de parentes que dividem a residência.

Os coordenadores voluntários argumentam que a guia não é digitalizada e que assim, a prefeitura de Teresópolis não consegue controlar o número de vezes que o indivíduo foi ao local receber os donativos.

Prefeitura recebe denúncias

O secretário de Segurança Pública de Teresópolis, Laet Moutinho, afirma que não é possível burocratizar o acesso aos donativos diante da crise. De acordo com ele, as autoridades presumem a honestidade das pessoas que recorrem aos abrigos e aos pontos de distribuição.

Vítima da chuva recolhe roupas no Pedrão, em Teresópolis

Vítima da chuva recolhe roupas no Pedrão, em
Teresópolis (Foto: Tássia Thum/G1)

Moutinho diz ainda que a prefeitura já recebeu muitas denúncias de desvio de donativos. Segundo o secretário, as informações foram checadas, mas não foram comprovadas.

“Nós só conseguimos comprovar dois casos. Uma foi de uma falsa delegada que tentou abastecer um caminhão com botijões de gás, e a outra aconteceu esta semana, quando uma senhora foi flagrada por um PM do Bope vendendo fraldas que ela tinha recolhido nas doações”, enumera.

Crime com até 2 anos de prisão

O secretário esclarece que o recolhimento de donativos por pessoas não necessitadas é crime e pode ser configurado como estelionato, apropriação indébita e furto. Nesses casos, segundo Moutinho, a pena pode chegar a dois anos de prisão.

“Por exemplo, se a pessoa for moradora de um bairro X, que não foi afetado pela chuva e mentir, dizendo que morava no bairro Y que ficou destruído, ela está mentindo para tirar vantagens, logo isso é crime”, conta.

No entanto, ele afirma que não configura crime o estoque de donativos por igrejas, assim como o ato de negar a distribuição de donativos em locais que não sejam controlados pelo Poder Público.

“Muitas pessoas ligaram reclamando que a igreja de tal lugar está abarrotada de alimentos e que não quis doar para as pessoas. Nesse caso, a instituição é autônoma e pode decidir para quem e quando doar. O que não pode acontecer é a doação em busca de benefício próprio, como por políticos e candidatos, a doação em troca de favores e o material doado ser usado para revenda.

Agora, faço questão de esclarecer que no Pedrão, que é controlado pela prefeitura, a distribuição não pode ser negada, a não ser que haja a suspeita de vantagem ilícita por parte de quem está solicitando o material”, explica Laet Moutinho.

Telefones para denúncia

A Secretaria de Segurança Pública de Teresópolis disponibilizou alguns números de telefone para receber denúncias de desvio de doações.

As informações podem ser repassadas pelo (21) 2742-4704 / 2742-9321 / 2743-0155 / 2742-7351.

G1 - Chuvas no RJ

Após seis horas de buscas, polícia acha bebê que foi sequestrado no RJ

Criança estava com suspeita dentro de um ônibus no Centro do Rio.
Segundo delegado, a mulher seria uma conhecida da família.

Do G1 RJ

Agentes da 54ª DP (Belford Roxo) encontraram, nesta quinta-feira (27), um bebê que teria sido sequestrado dentro de sua casa em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Segundo o delegado Marcos Peralta, uma conhecida da família é suspeita de sequestrar a criança.

De acordo com os policiais, por volta das 6h desta quinta (27), pouco depois do pai do bebê sair para trabalhar, a suspeita entrou na casa e levou a criança, sem que a mãe, que ainda estava dormindo, percebesse.
"A mãe acordou desesperada. Ela saiu, chamou os filhos, avisou a família. Depois comunicou o desaparecimento a polícia", contou Peralta.

Ainda segundo o delegado, policiais fizeram buscas pela vizinhança e durante conversas com moradores da área, receberam informações de que uma mulher teria passado pelo local com o bebê. Através da descrição física relatada pelas testemunhas, a mãe disse saber quem seria a suspeita.

"Depois dessas informações fomos até a casa da sequestradora, localizamos familiares e fizemos contatos avisando sobre o caso", disse o delegado da 54ª DP.

Marcos Peralta explicou ainda que a polícia encontrou a suspeita depois de rastrear ligações recebidas pelo marido dela.

"Começamos a monitorar o telefone dele e pouco depois, ela ligou para ele de um orelhão localizado na Zona Sul. Rapidamente enviamos uma equipe do serviço reservado até lá. Eles vasculharam a região, mas não as encontraram. Pouco depois, a suspeita fez uma nova ligação de um telefone da Central do Brasil. Dessa vez, na ligação, ela negou que estava com o bebê", contou o delegado.

Depois de deslocar a equipe para o Centro do Rio, a suspeita foi encontrada com a criança dentro de um ônibus a poucos metros do local de onde ela teria feito o segundo telefonema. Elas foram levadas para a 54ª DP, onde o caso foi registrado.

Reencontro emocionante

Na delegacia, a mãe e o pai da criança aguardavam ansiosos pela chegada dos policiais. "Foi emocionante. Muito emocionante mesmo. A criança ficou seis horas em poder do sequestradora, os pais não sabiam do seu paradeiro, o que estavam fazendo com seu filho. A gente ficou muito feliz com esse reencontro", disse Peralta.

Ainda segundo o delegado, mãe e bebê seguiram para um hospital da região, onde passarão por exames.
A suspeita foi presa em flagrante e poderá responder pelo crime de sequestro.

G1 - Rio de Janeiro

Governo do Rio indeniza família de homem morto por segurar furadeira

Rio - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), publicou um decretou no Diário Oficial desta quinta-feira, no qual concede uma pensão mensal para Regina Célia Canellas Ribeiro. Regina é viúva de Hélio Barreira Ribeiro, que morreu baleado durante uma operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) em maio de 2010.

A pensão deverá ser paga mensalmente até maio de 2033, de acordo com a publicação. Além dela, os três filhos do casal também receberão verba reparatória por danos morais. Nenhum valor foi divulgado.

Em 19 de maio de 2010, uma equipe do Bope foi ao Morro do Andaraí checar denúncias de que bandidos da vizinhança estariam escondidos ali. Hélio Ribeiro trocava uma cortina em sua casa, quando foi atingido por um dos oficiais, que teria gritado, antes de atirar, para que o trabalhador abaixasse.

No entanto, a vítima não teria escutado e continuado o trabalho, segurando uma furadeira com uma das mãos, ferramenta que foi confundida com uma arma. O policial Leonardo Albarello assumiu a autoria do tiro, segundo informou a Secretaria de Segurança Pública do Rio na época.

O DIA ONLINE

Suspeitos de matar soldado do Bope são detidos na Favela da Maré, no Rio

Com eles, foram encontrados um revólver, maconha e cocaína.
PM foi morto em uma tentativa de assalto na Avenida Brasil.

Do G1 RJ

Dois homens – um maior e um menor de idade –, suspeitos da morte de um soldado do Batalhão de Operações Especiais (Bope), foram detidos por PMs do Grupo de Ações Táticas (GAT) do 22º BPM (Maré), na manhã desta quinta-feira (27).

De acordo com informações do 22º BPM, os dois suspeitos foram encontrados na Rua Bittencourt Sampaio, na Favela Nova Holanda, no Conjunto de Favelas da Maré, no subúrbio do Rio. A polícia não informou como chegou aos suspeitos.

O soldado do Bope, que estava à paisana em uma moto, foi baleado e morto em uma tentativa de assalto, nesta manhã, na Avenida Brasil, uma das mais importantes da cidade, próximo à saída da Ilha do Governador. Os criminosos também estavam em uma moto.

Com os suspeitos, os PMs encontraram um revólver calibre 38, além de maconha e cocaína. Eles foram encaminhados para a 21ª DP (Bonsucesso), onde o caso será registrado.

G1 - Rio de Janeiro

PM do Bope é morto em tentativa de assalto na Avenida Brasil

Rio - Um policial militar foi baleado e morto, na madrugada desta quinta-feira, na Avenida Brasil, altura da Ilha do Governador.

Informações do Batalhão de Polícia Rodoviária apontam que o PM do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) sofreu uma tentativa de assalto.

Foto: Eduardo Naddar / Agência O Dia

A motocicleta do PM apreendida em Bonsucesso: o soldado foi atingido na cabeça | Foto: Eduardo Naddar / Agência O Dia

O assalto, de acordo com a Polícia Militar, teria ocorrido na altura da passarela 12 da Avenida Brasil - o soldado seguia para o Centro do Rio. Os assassinos teriam atirado de outra motocicleta.

O policial, identificado como Leonardo Souza e Silva, ainda foi levado para o Hospital Geral de Bonsucesso, mas não resistiu aos ferimentos.

O DIA ONLINE

Três mortos em confrontos com a PM em Niterói

Três pistolas, maconha, cocaína e munição foram apreendidos

POR MARCELLO VICTOR

Rio - Três homens apontados como traficantes foram mortos em dois confrontos com policiais do 12º BPM (Niterói), entre o fim da noite de quarta-feira e a madrugada desta quinta-feira, em morros de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Três pistolas, maconha, cocaína e munição foram apreendidas. Ambos os casos foram registrados na 78ª DP (Fonseca).

Por volta das 22h, PMs do 12º BPM realizaram uma incurssão no Morro do Céu, no bairro Caramujo, para verificar informações referentes ao tráfico de drogas no local. Eles se depararam com vários homens armados e houve intensa troca de tiros. Dois deles foram baleados.

Com a dupla foram apreendidas uma pistola calibre 9mm e outra calibre 765, além de 336 papelotes de cocaína. Segundo a PM, ambos foram socorridos no Hospital Azevedo Lima (HAL), também em Niterói, mas acabaram não resistindo.

No Morro da Coréia, no bairro do Fonseca, quatro bandidos tentaram surpreender quatro policiais, por volta de 0h30. Também houve confronto e Fernando Lima da Silva, de 23 anos, acabou ferido. Levado para HAL, ele também acabou morrendo na unidade. Os outros três bandidos conseguiram fugir.

Foram encontradas uma pistola calibre 45 e um carregador com 14 munições intactas, 57 trouxinhas de maconha prontas para o consumo e 50 gramas da droga ainda para ser endolada, além de saquinhos plásticos.

O DIA ONLINE

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Após morte de idosa baleada no Rio, armas de PMs serão periciadas

Liana Leite Do G1 RJ

As armas de dois policiais militares do 14º BPM (Bangu) foram recolhidas para perícia no Instituto Carlos Éboli após a morte de uma idosa de 78 anos, dentro da casa dela, na favela Vila Aliança, em Bangu, Zona Oeste do Rio, na manhã desta quarta-feira (26). A informação foi confirmada pelo delegado assistente da 34ª DP (Bangu), Delmir Gouveia, onde o caso foi registrado. No entanto, a investigação será feita pela Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, também na Zona Oeste.

Além da idosa, a neta dela, de 14 anos, e um homem suspeito de envolvimento no tráfico de drogas também foram baleados, mas já receberam alta do Hopital Albert Shweitzer, em Realengo.

Segundo uma das filhas da vítima, Joelma Andrade de Almeida, de 43 anos, os PMs atiraram contra a casa da idosa. “Um suspeito invadiu a casa da minha mãe durante perseguição policial para se esconder lá dentro. A polícia atirou contra ele e atingiu a minha mãe, que estava na cama, e a minha sobrinha”, contou a mulher.

De acordo com o delegado Gouveia, os dois PMs prestaram depoimento e negaram qualquer disparo. “O exame de recenticidade de disparo vai dizer se o tiro partiu da arma deles ou não”, explicou o delegado.

Segundo a Divisão de Homicídios, todos os envolvidos serão ouvidos para que seja apurado de onde partiu o tiro que matou a idosa. O suspeito baleado está sob custódia no Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Ele foi levado para o local após chegar à delegacia ainda sangrando. Mais cedo, o homem já havia sido atendido em um hospital.

A menina de 14 anos foi liberada na tarde desta quarta. Segundo a família, ela e o homem foram levados à emergência pela PM. Já os policiais afirmaram, em depoimento, ter levado apenas o suspeito. A idosa foi levada à mesma unidade, já morta, por vizinhos. A família aguarda a liberação do corpo.

“Só queremos o direito de enterrar a nossa mãe. Ela trabalhou a vida toda e depois dessa morte estúpida, ela merece”, afirmou Georgina Andrade, 49 anos, outra filha da vítima.

Versão da PM

Segundo a polícia, suspeitos que estavam dentro de um carro roubado teriam atirado contra uma viatura policial que passava pelo local.

De acordo com o comandante, do 14º BPM (Bangu), coronel Djalma Beltrami, os policiais não revidaram os tiros disparados pelos traficantes e tentaram se refugiar em frente a alguns barracos de madeira que ficam próximos à linha do trem.

Ainda segundo Beltrami, os criminosos abandonaram o veículo e fugiram para a favela.
Além do carro, foram apreendidos um carregador, munição e um cinto de guarnição (usado por militares para levar carregador e arma).

G1 - Rio de Janeiro

Abertura da Policlínica da Policia Militar em Campos está virando pesadelo para policiais.

Carol Santos

Sandra Santos

Leonardo Berenger

Um sonho ainda não realizado está virando pesadelo para policiais militares da Região, que esperam a abertura da Policlínica da Policia Militar em Campos, cuja obra foi concluída em junho do ano passado. No entanto, o prédio está tomado por matagal, cobras e ratos.

Há um ano doente, o 1º sargento da PM Luiz Fernando Santos Azevedo, 53 anos, 30 deles dedicados à corporação, é um dos que esperam atendimento na unidade. Ele ainda está sem diagnóstico definido, mas sob suspeita de problemas graves no esôfago e na próstata. A assessoria do Governo do Estado afirmou que a responsabilidade sobre a inauguração da Policlínica é do Comando Geral da PM, que foi contactado, mas não enviou resposta até o fechamento desta edição.

De acordo com a esposa do sargento, Regina Barreto de Azevedo, 51 anos, Luiz está com vários pedidos de exames, que até hoje não foram feitos, já que o paciente não tem condições de saúde para enfrentar os 350 quilômetros de Campos até o Hospital da Polícia Militar (HPM), na capital. Ele usa uma sonda na bexiga, implantada após uma crise, no último sábado, por um médico na emergência do Hospital São José, na Baixada Campista.

— O município não tem nada a ver com o problema do meu marido. A sonda colocada no sábado pelo Hospital São José precisa ser retirada em 10 dias. Há 30 anos e oito meses ele contribui com o Fundo de Saúde da Polícia Militar, onde são descontados R$ 42 mensais em seu contra-cheque e agora precisa recorrer ao Sistema Único de Saúde.

Eu quero cobrar os nossos direitos, já que descontam esse dinheiro do meu marido e não lhe oferecem assistência médica adequada. É um absurdo um policial morrer por falta de assistência, tendo uma Policlínica da PM pronta e fechada no meio do mato. Além de não inaugurada, o local conta com a proteção de PMs que poderiam estar nas ruas servindo à sociedade. Não estou pedindo favor nenhum, só quero o que é dele por direito — desabafou a esposa do militar.

De acordo com o comandante do 6º Comando de Policiamento de Área (6º CPA), coronel Paulo Cesar Vieira, ele não desconhecia o caso do sargento Luiz Fernando Santos Azevedo, mas garantiu que tomará todas as medidas para ajudá-lo. Sobre a Policlínica, Vieira disse que espera vê-la funcionando em breve.

— Vou ajudá-lo de alguma forma para que tenha atendimento adequado. Como também fazer com que ele tenha o direito de afastamento da Polícia Militar com os benefícios da Reforma e não da Reserva Remunerada, como está previsto — garantiu o comandante do 6º CPA.

A assessoria de Comunicação do Comando Geral da Polícia Militar foi contactada ontem por telefone e pediu que a equipe de reportagem enviasse um e-mail com os questionamentos, mas não os respondeu.

Asmennf diz que vai pedir ajuda à OAB

Sem ter a quem recorrer, Regina Barreto de Azevedo, esposa do procurou ajuda da Associação dos Militares do Estado do Norte e Noroeste Fluminense (Asmennf). O pre-sidente da associação, Gilson de Souza Gomes, disse que vai comunicar o problema do colega de farda à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para que ela documente e encaminhe aos órgãos responsáveis a falta de recurso médico para os militares, incluindo o pedido da abertura da Policlínica em Campos.

— A Asmennf está priorizando o atendimento de especialistas, como urologista e proctologista para que possa ser feita uma avaliação da gravidade do problema do sargento. É bom lembrar que o militar não é apenas farda, carteira e arma, é um ser humano como qualquer outro profissional e além dos deveres cobrados têm seus direitos — concluiu Gilson.

A equipe de reportagem não conseguiu contato com o presidente da OAB, Filipe Estefan.

Construção começou em maio de 2010

A construção da Policlínica em Campos foi um pedido do coronel do 6º Comando de área da Policia Militar em Campos, Paulo César Vieira, e do presidente da Asmennf, Gilson de Souza Gomes, ao governador Sérgio Cabral, no início do ano passado. Meses depois, atendendo às necessidades de atendimento médico para milha- res de militares da PM na Região, a solicitação começou a se transformar em realidade.

A obra iniciou no dia 17 de maio e foi finalizada em junho. A unidade médica foi erguida em uma área de 2.300m², à margem da BR 101 (Campos-Rio), no Parque Rodoviário. Diversos atendimentos estariam à disposição dos policiais ativos e inativos e seus familiares, se já tivesse sido inaugurada. Os beneficiados poderiam contar com pequenas cirurgias, além do atendimento médico de diversas especialidades, como cardiologista, pediatra, ginecologista, clínico geral, entre outras.

O chefe do Estado-Maior Geral, coronel Carlos Eduardo Millan, chegou a visitar o projeto no dia 17 de novembro do ano passado. Ele disse que ficou muito satisfeito com o andamento das obras e que o posto seria muito benéfico para os PMs. “Esse benefício vai atingir a toda região de uma maneira positiva porque os PMs não vão precisar sair da cidade para serem atendidos”

Folha da Manhã Online - Campos dos Goytacazes - RJ

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Irmão e mãe de Mércia sofrem atentado

Carro com família Nakashima caiu numa ribanceira, após perseguição de um motoqueiro

JaneteNakashima-g-20101018

mercia-gd

A mãe e o irmão da advogada Mércia Nakashima sofreram um acidente em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo, na noite do último domingo.

O carro onde os dois estavam caiu em uma ribanceira após ser perseguido por uma moto ocupada por dois homens. O garupa segurava uma arma. Márcio Nakashima e Janete Nakashima ficaram feridos na queda.

Márcio e a mãe não sabem o que os criminosos queriam com eles, mas acharam a perseguição muito estranha. A polícia vai investigar se os parentes de Mércia foram vítimas de uma tentativa de homicídio e se o ocorrido tem alguma ligação com o assassinato de Mércia.

O irmão da advogada sofreu ferimentos leves no acidente. Já a mãe fraturou a clavícula. Coincidentemente, a perseguição ao carro dos parentes de Mércia aconteceu na mesma cidade onde o corpo dela foi encontrado em uma represa, no dia 11 de junho de 2010.

MRCIA-~1

A advogada estava desaparecida desde o dia 23 de maio. O ex-namorado de Mércia, Mizael Bispo de Souza, é procurado pela polícia como autor da morte dela.

mizael-Bispo

Mizael Bispo de Souza, é procurado pela polícia

 

Meia Hora Online

Ministro da Defesa diz que Exército não vai admitir desvios de conduta no complexo do Alemão

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta terça-feira (25) que o Exército brasileiro "não vai admitir desvios de conduta" durante a ocupação no complexo do Alemão, na zona norte do Rio, onde cerca de 1.700 militares atuam na Força de Pacificação desde novembro do ano passado.

     nelson_jobim05

Foto divulgação.

As afirmações foram feitas durante a inauguração de uma agência do Banco do Brasil na estação do teleférico no morro do Adeus.

Jobim se referiu ao afastamento de um tenente suspeito de furtar objetos, entre eles um aparelho de ar-condicionado, de uma casa abandonada na Fazendinha, uma das comunidades que integram o complexo.

- Nós já tomamos as providências necessárias para mostrar à população que não se pode aceitar desvios de qualquer natureza. Até porque esses desvios são contaminantes, é um processo de tolerância que acaba avançando com o tempo.

O crime teria sido praticado por um tenente, oficial que liderava uma tropa com 30 homens da Brigada Paraquedista. De acordo com o major Fabiano de Carvalho, assessor de comunicação da Força de Pacificação, a denúncia partiu dos próprios militares que estavam sob o comando do tenente.

O ministro também ressaltou que a ocupação no Alemão é uma oportunidade de o Exército "identificar problemas e melhorar sua capacidade logística".

 R7.com

Rapaz que era torturado por traficantes é libertado por PMs

Ana Carolina Torres

Policiais militares do Grupo de Ações Táticas (GAT) do 3º BPM (Méier) libertaram, na tarde desta terça-feira, um homem de 33 anos que estava sendo torturado por traficantes do Morro do Urubu, em Pilares.

Os PMs chegaram ao local depois de receberem uma denúncia. A equipe seguiu para o alto do morro e lá encontrou o rapaz, que estava amarrado, amordaçado e seria executado em seguida.

Os policiais trocaram tiros com os bandidos, que fugiram. A vítima - que está sendo medicada no Hospital Salgado Filho, no Méier - contou aos PMs que havia sido confundido pelos traficantes com um informante da polícia.

Durante a ação, foram apreendidos dois quilos de maconha e 460 balas de diversos calibres. A ocorrência está sendo registrada na 24ª DP (Piedade).

Extra Online

Cabral diz que Complexo do São Carlos e favelas de Santa Teresa receberão a próxima UPP do Rio

Rafael Galdo

O governador Sérgio Cabral durante inauguração da agência do Banco do Brasil no Complexo do Alemão - Custodio Coimbra/ O Globo

RIO - O governador Sérgio Cabral anunciou, na manhã desta terça-feira, que o Complexo do São Carlos, além das favelas de Santa Teresa, receberão a próxima Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da cidade do Rio.

Segundo ele, a operação realizada nesta segunda-feira, com cerca de 150 policiais civis, já era prevista como o início do processo de pacificação, que continuará nas próximas semanas, com ocupações do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e demais forças de segurança.

O governador, no entanto, não anunciou a data exata para a instalação da UPP.

- Ali (no São Carlos) está mais do que demonstrado que necessita de uma UPP. A operação de ontem foi planejada para o processo de pacificação, que se dará em breve - disse Cabral, durante a inauguração da agência do Banco do Brasil, no Morro do Adeus, no Complexo do Alemão.

O governador comentou ainda o fato de tiros terem atingidos o prédio da prefeitura, na Cidade Nova:

- Evidente que é uma reação (do tráfico), mas que tem prazo para acabar.

Nesta terça-feira também está sendo aberta uma outra agência do Banco do Brasil, na Cidade de Deus.

As últimas comunidades em que a polícia já iniciou a preparação para a instalação de uma UPP foram os morros da Matriz, São João, Quieto e Sampaio, na Zona Norte do Rio. A ordem das favelas foi alterada após a megaoperação no Complexo do Alemão, no fim do ano passado.

Extra Online

Diretor de presídio no Rio é exonerado por suspeita de dar regalia a preso

Além dele, subdiretor e chefe de segurança também foram afastados.
Na cela do detento foram encontrados materiais não permitidos.

Do G1 RJ

O diretor, subdiretor e chefe de segurança do Presídio Ary Franco, em Água Santa, no subúrbio do Rio, foram exonerados na noite de segunda-feira (24) depois que a Secretaria de estado de Administração Penitenciária (Seap) recebeu uma denúncia anônima de regalias dentro da unidade.

Segundo a Seap, agentes da Superintendência de Inteligência (Sispen) e da Corregedoria da Seap fizeram uma vistoria na cela de um preso da unidade e encontraram materiais não permitidos, como alimentos perecíveis.

No mesmo dia, o detento foi transferido para a Penitenciária Alfredo Tranjan (Bangu 2). A Corregedoria da Seap abriu uma sindicância interna para apurar as supostas irregularidades.

G1 - Rio de Janeiro

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Polícia Civil divulga balanço de operação em morros no Estácio e no Catumbi

Ana Carolina Torres

Delegacias especializadas fazem operação no Morro da Mineira / Foto: O Globo / Marco Antônio Teixeira

Cerca de 300 quilos de maconha, uma granada, uma escopeta e um fuzil foram apreendidos, nesta segunda-feira, durante operação realizada por cerca de 150 policiais civis de sete delegacias especializadas nos morros de São Carlos, Zinco e Querosene, no bairro do Estácio, e da Mineira, no Catumbi.

O diretor do Departamento de Polícia Especializada (DPE), delegado Ronaldo Oliveira, coordenou a aão, que contou ainda com o apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Segundo ele, o objetivo era identificar e prende traficantes, além de colher informações para ajudar nos inquéritos da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod).

Durante o confronto, quatro suspeitos foram feridos e socorridos pelos agentes. Um homem foi preso em flagrante e com ele apreendida uma escopeta. Os agentes também apreenderam material para endolação de drogas e anotações da contabilidade do tráfico.

A operação foi marcada por intensos tiroteios. Num deles, um helicóptero da TV Globo, que preparava-se para sobrevoar a Mineira, foi atingido por três disparos e teve que fazer um pouso forçado no Aeroporto de Jacarepaguá.

Cinco janelas do prédio da Prefeitura do Rio também foram perfurados por balas.

Em ambos os episódios, ninguém ficou ferido. No Morro do Querosene, um rapaz de 25 anos foi encontrado morto.

Casos de Polícia - Extra Online

Exclusivo: helicóptero da TV Globo faz pouso forçado após ser atingido por tiro

A Equipe da TV Record sobrevoava morros da região central do Rio de Janeiro, onde a Polícia Civil fazia uma operação.

O helicóptero da TV Globo, que também estava na região, foi atingido e fez um pouso de emergência.

Veja as imagens impressionantes feitas pelas câmeras da Record.

 

R7.com

Suspeito que fez reféns é morto em troca de tiros com PM, no Rio

Homem manteve idosas sob a mira de fuzil por duas horas.
PM diz que ele era traficante do Morro da Pedreira.

Do G1 RJ

Depois de manter duas idosas com mais de 80 anos sob a mira de um fuzil AK-47, um suspeito identificado pela PM como traficante do Morro da Pedreira morreu ao tentar fugir e trocar tiros com policiais do 9º BPM (Rocha Miranda).

Segundo o capitão Ivan Blaz, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), que participou das negociações para a libertação das reféns, o traficante estava fugindo da PM e se escondeu na casa das idosas, na Favela do Muquiço, em Guadalupe, no subúrbio do Rio.

Segundo capitão Blaz, as idosas foram ameaçadas de morte durante todo o tempo, mas não foram feridas pelo suspeito. Policiais do 9º BPM tentaram a rendição do suspeito. Logo depois da chegada do Bope, o homem tentou fugir.

“Ele disparou alguns tiros dentro da casa. Nós invadimos o local e houve troca de tiros. Ele foi ferido mortalmente”, contou Blaz.

As idosas foram levadas para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hérmes, onde receberam atendimento médico. O caso vai ser registrado na 33ª DP (Realengo).

G1 - Rio de Janeiro

Vídeo mostra crianças sendo arrastadas pela correnteza na serra

Meninas de 10 a 17 anos se salvaram segurando em árvores.
Imagens foram feitas no dia seguinte do início das chuvas, dia 12 de janeiro.

Tássia Thum e Luciana de Oliveira Do G1 RJ

 

As chuvas que atingiram as cidades da Região Serrana do Rio a partir da noite do dia 11 de janeiro revelaram histórias surpreendentes de resgates e sobreviventes. No dia 12, em Bom Jardim, as meninas Laura, Luisa e Gabriela ficaram cerca de duas horas abraçadas a coqueiros, aguardando o resgate dos bombeiros depois que o barco pelo qual foram tiradas de uma casa alagada virou.

Mesmo sem saber nadar, elas enfrentaram a correnteza em busca de abrigo e conseguiram se salvar. A estudante Manuelen Brito Melengate registrou a cena e postou o vídeo na internet (veja acima). A leitora Tania Fernandes Cardoso avisou pelo Fale Conosco do G1 sobre o vídeo.

Nas imagens é possível ouvir os gritos e o choro desolado da mãe de Gabriela. A criança de 10 anos estava na casa das amigas, uma das mais altas da Rua Humberto Bérgamo, no bairro Campo Belo. O local é próximo do Rio Grande, que transbordou. Os pais a deixaram na casa vizinha, acreditando que lá a água não chegaria. Contrariando as expectativas, a água alcançou o segundo andar da residência, onde estavam as meninas. Ao redor, as casas ficaram submersas, apenas com os telhados para fora.

O barco sem motor de um vizinho foi o transporte usado por bombeiros para resgatar as irmãs Laura e Luisa e a amiga Gabriela. O alívio das mães que assistiam ao resgate se transformou em desespero – a embarcação virou e as estudantes foram arrastadas pela correnteza.

O círculo mostra as meninas sendo arrastadas pela correnteza no bairro Campo Belo, em Bom JardimNo detalhe, meninas sendo arrastadas pela correnteza em Bom Jardim (Foto: Reprodução)

Maristela, mãe de Laura e Luisa Bocayuva, de 17 e 11 anos, respectivamente, conta que a filha mais velha estava sem colete, e para escapar da correnteza, a adolescente ficou agarrada a um coqueiro no jardim da casa. Luisa, que segundo a mãe nunca viu o mar, nadou até achar um local seguro. Gabriela também se protegeu, abraçando uma árvore.

“Eu fiquei desesperada, chorei, gritei, pedi a Deus que não levasse elas embora. Foi uma cena pavorosa. O meu pai, de 72 anos, que também assistiu a tudo, quase morreu. Moro há 19 anos nessa rua e nunca vi coisa parecida”, diz Maristela.

Mãe procurou refúgio em sótão
A mãe de Laura e Luisa também estava na casa alagada, junto com o avô das meninas. Ela fala que os bombeiros deram prioridade às crianças e avisaram que depois fariam o resgate dos adultos. Com o nível da água aumentando, Maristela procurou refúgio no sótão. O pai das duas meninas estava viajando e só assistiu ao resgate emocionante das filhas pela internet.

“O meu marido ficou desesperado. A água invadiu a nossa casa, mas perdemos mesmo só os pertences, a estrutura não foi comprometida. Mas como o bairro está sem luz e água estamos abrigados na casa de amigos e parentes. Ainda não caímos muito na real, mas acho que minhas filhas estão bem diante de tudo que aconteceu”, revela a mãe.

Manuelen de Brito

Da varanda da casa dos sogros, Manuelen filmou
resgate de meninas (Foto: Luciana de Oliveira/G1)

Geladeira no telhado

No Campo Belo, entre a Rua Humberto Bérgamo e a Avenida Walter Vendas Rodrigues, diversas casas, a maioria com dois andares, ficaram submersas ou com água até o telhado. O G1 visitou o local 10 dias depois: ainda havia muita lama e destruição. Uma geladeira arrastada durante a enchente estava no telhado de uma das casas. Piscinas viraram depósito de água barrenta. Aos poucos, moradores começam a limpeza para saber o que restou.

Manuelen, que filmou o resgate das meninas, teve a casa toda coberta pela água. "Ficou só a antena para fora", conta. Ela se refugiou na casa dos sogros, mais alta, e da varanda filmou e fotografou a enchente na avenida e na rua de trás, onde moram Laura e Luísa. "A água subiu muito rápido", conta a estudante. Carros que estavam estacionados na rua foram tomados.

G1 - Chuvas no RJ

Veja danos provocados por tiros ao helicóptero da Globo.

Aeronave foi atingida ao tentar fazer imagens de operação policial no Rio.
Helicóptero fez pouso forçado no aeroporto de Jacarepaguá.

Do G1 RJ

Globocop tiros

Estragos causados por tiros no Globocop
(Foto: Divulgação/TV Globo)

A Central Globo de Comunicação (CGCOM) divulgou na tarde desta segunda-feira (24) fotos dos estragos causados pelos três tiros que atingiram o helicóptero da conhecido como Globocop nesta manhã.  A aeronave foi atingida enquanto se preparava para fazer imagens de uma operação policial no Morro da Mineira, no Rio de Janeiro.

Um dos projéteis atingiu o assoalho, o segundo, a região central e o terceiro, a cauda da aeronave, modelo Eurocopter AS350 B2.

O projétil que atingiu o assoalho rompeu um cabo do sistema de controle do rotor de cauda, afetando a dirigibilidade do Globocop e obrigando o piloto Antonio Ramos a realizar um pouso forçado no Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste.

Além do piloto, estavam a bordo o operador de sistemas Roberto Mello Reis e a repórter Karina Borges. Ninguém se feriu. A TV Globo já informou o incidente às autoridades policiais e aeronáuticas. A Chefia de Polícia Civil do Rio determinou a abertura de inquérito, que será conduzido pela 6ª DP (Cidade Nova).

Tiros Globocop

Danos causados por tiros no Globocop nesta
manhã (Foto: Divulgação/TV Globo)

A operação

Um suspeito foi preso, quatro foram feridos e mais de 300 kg de maconha foram apreendidos na operação da Polícia Civil que acontece desde a manhã desta segunda em favelas do Rio Comprido e do Estácio, na Zona Norte do Rio. O delegado Ronaldo Oliveira, do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE) informou, ainda, que o suspeito preso seria chefe do tráfico da região e que estava com uma escopeta.

Os policiais também apreenderam dois fuzis na ação. No momento, não há tiroteio, mas, na chegada dos policiais ao local houve intensa troca de tiros. Alguns tiros atingiram janelas do prédio do Centro Administrativo São Sebastião, onde funciona a sede da Prefeitura do Rio.

“Acredito que os tiros que atingiram o prédio da prefeitura foram acidentais. Mas, se foram dados de propósito, só mostra o grau de desespero dos traficantes com a presença da polícia”, disse Ronaldo Oliveira.

G1 - Rio de Janeiro

Nível de contaminação de água e ar de Nova Friburgo é testado após tragédia

Número de coliformes fecais em rio é 85 vezes maior que limite, diz teste.
Ar também está cheio de fungos; mas água encanada é de boa qualidade.

Do G1, com informações do Fantástico

Doze dias após a tragégia que deixou mais de 800 mortos na Região Serrana do Rio de Janeiro, um especialista viajou a Nova Friburgo para testar o nível de contaminação da água, da lama e do ar de um dos municípios mais devastados pelas chuvas de janeiro, e apontar quais as principais doenças a que os moradores estão expostos.

Visite o site do Fantástico

O Rio Bengalas, que corta a cidade, foi o primeiro a ser testado. “Nós estamos coletando aqui porque nós queremos saber qual o grau de contaminação deste rio. Visivelmente, ele está fora dos padrões. Toda essa cheia aconteceu aqui nesse rio, no lugar que estamos, estava completamente submerso”, diz Gandhi Giordano, engenheiro sanitarista da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

O limite dela permitido é de 800 unidades por 100 militros, que é um copo pequeno de água, então são 800. Lá tinha 68 mil"

Gandhi Giordano, engenheiro sanitarista

As análises, feitas num laboratório acreditado pelo Inmetro, revelam um nível alto de contaminação por coliformes fecais. “Na água do rio, nós analisamos escherichia coli que é uma bactéria que é presente no intestino de pessoas. O limite dela permitido é de 800 unidades por 100 militros, que é um copo pequeno de água, então são 800. Lá tinha 68 mil”, alerta o professor. O número encontrado é 85 vezes maior que o limite.

Amostras da água fornecida pela rede de abastecimento da cidade também passaram por testes, que comprovaram que quem recebe água da rede está bebendo e lavando alimentos em água limpa.

Níveis altos de coliformes fecais

Já as amostras de lama e poeira, que é a lama seca, não trazem boas notícias. Na lama, foram encontrados 92 mil coliformes fecais a cada 100 mililitros: 115 vezes mais coliformes fecais do que o tolerado.

No ar, foram encontradas mais de 2 mil bactérias por metro cúbico. O resultado é 13 vezes o pior já encontrado por um laboratório na cidade do Rio. O ar está também cheio de fungos, 15 vezes mais que a pior medição.

Moradores de Nova Friburgo estão respirando cerca de 4 mil bactérias e 4 mil fungos por hora

Uma pessoa respira dois metros cúbicos de ar por hora. Os moradores de Nova Friburgo, então, estão respirando cerca de 4 mil bactérias e 4 mil fungos por hora.

“Me causa alergia”, reclama uma moradora.

“Estou com medo de pegar alguma doença pulmorar por causa da poeira”, diz outra, usando máscara.

Doenças respiratórias

Mas para Esper Kallás, infectologista da Universidade de São Paulo (USP), o uso de máscara não resolve o problema. “Ajuda muito pouco porque ela perde a eficiência muito rápido. Além do que ela só consegue proteger contra essa poeira mais grosseira porque a poeira mais fina ela passa pela máscara”, explica o infectologista.

E essa poeira contaminada com fungos pode provocar conjuntivite, rinite e sinusite. “Ela aumenta o risco de alergias respiratórias pras pessoas que tem essa sensibilidade”, alerta Esper.

A poeira também pode desencadear doenças respiratórias. “A poeira pode irritar as vias respiratórias e provocar quadros igual ao desse neném”, aponta o infectologista, mostrando um bebê que recebe tratamento contra bronquite, em um abrigo.

E quanto mais gente vivendo e dormindo no mesmo ambiente, mais facilmente um vírus ou bactéria pode se espalhar. “Essa é uma situação emergencial. E ela tem que ser o mais provisória possível, com o passar do tempo, a aglomeração, nessas condições de habitação que são muito precárias, começam a facilitar a transmissão de algumas doenças. As mais comuns são doenças de transmissão respiratória. Um exemplo delas é a gripe. E são doenças de transmissão por contato e transmitidas através de alimentos”, explica Esper.

Água contaminada

Os hospitais já congestionados na região vão recebendo gente com outras doenças. “No primeiro momento, os pacientes eram aqueles politraumatizados, vítimas de acidentes graves, muita fratura, muita lesão de bacia, lesão de membros inferiores. Agora, a gente já está tratando as complicações que são as feridas infectadas, são as diarréias, os vômitos, que são aquelas pessoas que tiveram algum tipo de contato com a água contaminada”, aponta Jamila Calil Salim Ribeiro, secretária municipal de Saúde de Nova Friburgo.

O auxiliar de produção Daniel Lopes acabou machucando o pé ao resgatar a dona de casa Ilair Souza, em São José do Vale do Rio Preto. O momento do salvamento foi gravado pela Intertv, afiliada da Rede Globo.

“Na hora que eu peguei a corda para puxar, no primeiro pisão eu senti o incômodo, só que na hora da adrenalina, com o corpo quente, aquilo tudo, eu nem senti. Fui puxando a corda, fui puxando, quando ela chegou lá em cima que eu olhei o ferimento eu vi que estava sangrando muito. Eu peguei muita lama porque eu tive que atravessar toda a minha rua. Então a água tinha acabado de baixar, tava aquela lama suja, sabe. Aí o meu pé ferido pisou naquela lama, porque não tinha outro jeito”, lembra Daniel.

Ele foi tratado, mas dois dias depois o pé estava infeccionado pelas bactérias da lama. De volta ao hospital, ficou internado.

“A gente fica esperando, aguardando desinchar pra tomar uma providência sendo que o médico falou na hora: ainda bem que vocês correram porque poderia ter uma, a infecção podia chegar até o osso”, diz Daniel, depois de receber alta e passar o susto.

Daniel e todos que entraram em contato com a água contaminada e tiveram cortes estão recebendo a vacina antitetânica. Tudo para evitar que um arranhãozinho vire uma infecção generalizada - que pode até levar à morte.

A embaladeira Monica Aparecida dos Santos bebeu água de poço contaminada. “Fiquei com diarréia e falta de ar por causa da alergia a essa poeira. Começou ontem depois que eu tomei água da torneira, só tomo água da torneira, não tomo água do filtro nem dessa mineral”, conta Monica à médica Cibele da Silva.

“Eu recomendei usar bastante líquidos ou fazer o preparo do soro caseiro. E medidas de higiene”, orienta a médica.

Hepatite e leptospirose

Duas doenças preocupam: hepatite a e leptospirose. Por enquanto, nenhum caso após a tragédia foi confirmado - mas há um período de incubação.

“A gente tem uma previsão aí do Ministério da Saúde que nós teremos pelo menos um ano de problema decorrentes da enchente”, acredita a secretária Jamila.

“É muito importante que a gente tenha um plano de ação já elaborado antes da tragédia acontecer. Com o exemplo de várias outras tragédias que aconteceram no mundo, inclusive no Brasil, nós conhecemos um pouco o padrão de como essas doenças infecciosas acontecem, a gente sabe a sequência que elas acontecem. Então, a presença de um estudo anterior, de um planejamento, sem dúvida nenhuma ajudaria a combater situações como essa com mais eficiência”, avalia Esper.

G1 - Chuvas no RJ

A DIMENSÃO REAL DA CATÁSTROFE DE TERESÓPOLIS E NOVA FRIBURGO

Matéria do site nossamestria.com.br

Martius de Oliveira

Anthonio, Thais e turma do MM:

Houve hoje uma reunião a portas fechadas já no final desta noite com um membro muito importante da Cruz Vermelha Brasileira (CVB) cujo nome não vou revelar. Ele já trabalha há mais de trinta e três anos em todos os tipos de catástrofes em todas as partes do mundo incluindo a guerra da Bósnia, o terremoto do Haiti, etc.

É ele que coordena as atividades da CVB brasileira nestes locais e também da CVB internacional. Para vocês terem uma idéia, ele havia voltado de uma extenuante viagem de 22 horas desde a Rodésia só para estar ali conosco e avaliar a situação na região serrana. Ele disse que nós não tínhamos noção da catástrofe que havia ocorrido:

"Vocês nunca tiveram oportunidade de testemunhar catástrofes mundiais e por isso é natural que sejam incapazes de avaliar a extensão dos danos aqui ocorridos”.

Devido a décadas de experiência de campo e de levantamento de áreas de desastre, posso seguramente, afirmar que somente aqui no município de Teresópolis o número de mortos soterrados de longe ultrapassa a casa dos 6.000.

Na região serrana ao todo o número de mortos deve facilmente chegar a mais de 12.000 pessoas.

No Brasil, vocês nunca lidaram com catástrofes naturais de grandes dimensões, daí a falta de preparo e de noção do que realmente se passa. Pelo quadro vigente no Haiti, vocês podem contabilizar as milhares de pessoas que já morreram de febre tifóide.

Não importa se sejam os brancos loiros de olhos azuis da Bósnia-Herzegovina ou os negros suados do Haiti ou os habitantes de Teresópolis. Todos os corpos que necropsio fedem e estão imundos.

Morto não tem raça, ou status social. Todos os corpos apodrecem e se decompõem. São mais de 6.000 corpos nos leitos dos rios, nos mananciais e nas suas margens, enterrados a vários metros de profundidade.

Haverá inúmeras epidemias daqui há algumas semanas surgindo primeiramente de forma discreta e depois se alastrando pelas cidades supridas por essas águas. A falta de experiência do Brasil e dos brasileiros em termos de dimensões de catástrofes levam a estas estimativas ingênuas do que realmente aconteceu.

Em qualquer outro país civilizado, o procedimento correto seria o de declarar lei marcial e exigir intervenção federal nesta situação. A própria viabilidade e existência destas cidades será posta à prova nos meses que virão na medida em que a população começar a adoecer.

Quanto ao prefeito da cidade, ele é um bandido, um crápula, que precisa ser acionado judicialmente, preso e condenado por crime contra a humanidade. Há dezenas de equipes especiais de resgate aqui conosco como as de Santa Catarina, Santos e São Paulo e a prefeitura se recusa a usar os seus profissionais para as missões de resgate.

A CVB é um órgão de assistência emergencial e vocês já passaram da fase de emergência e estão exercendo um papel assistencial. Isto não é de competência da CVB.

O prefeito de Teresópolis desacatou a CVB e por conta disso, ao desacatar a autoridade da CVB cometeu um ato infracional. O seu prefeito deve ser preso por crime contra a humanidade. Muitas pessoas ainda irão morrer nos próximos meses devido as doenças que irão se disseminar.

Entendam que a CVB está sendo utilizada como manobra política e a isso não nos subteremos. Estou declarando que a partir de hoje se dão por encerradas as atividades da Cruz Vermelha em Teresópolis.

Todos os mantimentos, água e remédios deverão ser doados à população carente desde que comprovem a baixa renda. Não tenham tanta certeza de que o acidente de helicóptero que acometeu o chefe da CVB de Teresópolis tenha sido um mero acidente.

Não podemos ter garantia de nada. Portanto declaro encerrado as atividades da CVB de Teresópolis a partir de agora. Sabemos do espírito altruísta de todos os senhores mas como dizemos no meio militar - "Excesso de vibração mata".

Peço que interrompam as suas atividades a partir de hoje pois dezenas de órgãos governamentais por trás de vocês estão ganhando verbas assistencias de milhões de reais para não realizarem o trabalho que vocês estão fazendo voluntariamente de graça.

O prefeito desta cidade deve receber prisão civil por ato infracional e será apenas uma questão de poucos meses para que as cidades das regiões serranas se tornem regiões doentes caso não seja coordenado um esforço conjunto sério para a remoção destes milhares de cadáveres se decompondo nos rios que suprem estas cidades".

http://minhamestria.blogspot.com/

Nossa Mestria

Funcionários da Prefeitura relatam momentos de pânico durante tiroteio no São Carlos

Rio - Funcionários da Prefeitura relataram os momentos de pânico vividos na manhã desta segunda-feira. Uma operação policial realizada em comunidades do Estácio e do Catumbi terminou sem vítimas, mas causou prejuízos.

O prédio da administração municipal e um helicóptero da TV Globo acabaram alvejados por tiros e a aeronave acabou precisando realizar um pouso forçado no Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste.

Foto: Paulo Alvadia / Agência O Dia

Janela da sede da Prefeitura destruído por tiros: Por sorte ninguém ficou ferido | Foto: Paulo Alvadia / Agência O Dia

No prédio principal, pelo menos cinco janelas foram alvejadas, duas delas no 14º andar, uma das sessões reservadas para o gabinete do prefeito Eduardo Paes. Janelas no 10º andar, onde funciona a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente, e no 5º andar, que abriga a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, também foram atingidas. O edifício anexo foi alvejado numa janela do 11º andar.

O técnico de processamento de dados Claudio Ribeiro, de 47 anos, trabalhava em sua sala, localizada no 10º andar do prédio onde funciona a Previ-Rio, e falou sobre o incidente. "Foi um susto muito grande e só depois de um tempo é percebemos que eram tiros. Só pensei em me esconder atrás do ar-condicionado", disse ele.

Já Afonso de Moraes, de 58 anos e 22 trabalhando na Divisão de Admissão da Prefeitura, ao ouvir o estrondo em sua sala, já sabia que se tratavam de tiros vindos do Morro de São Carlos. "Estava subindo os andares do meu prédio e ouvi os estrondos. Quando cheguei na minha sala e vi o estrago já sabia que eram disparos vindos do São Carlos", afirmou.

Pelo menos 150 policiais de sete delegacias especializadas, com o apoio de helicóptero, fizeram uma grande operação nas comunidades dos morros do Zinco, São Carlos e Querosene, no Estácio, e da Mineira, no Catumbi, na Zona Norte do Rio nesta segunda-feira.

Segundo informações do delegado Ronaldo Oliveira, diretor de Policia Especializada da Policia Civil, a meta da ação foi combater o tráfico de drogas, identificando componentes das quadrilhas que atuam nas comunidades.

Houve reação dos criminosos e uma intensa troca de tiros ocorreu entre eles e os policiais. Um homem, ainda não identificado, foi ferido de raspão na cabeça, mas, apesar do sangramento, o ferimento não foi grave. Suspeito de ligação com o tráfico, ele foi detido para averiguação. Outro foi preso com uma escopeta.

Três outros bandidos teriam sido feridos na troca de tiros, mas conseguiram fugir para uma mata próxima ao Morro da Mineira. Policiais vasculharam a área em busca desses e de outros criminosos que fugiram para o local.

Polícia derruba muros de contenção do tráfico

O helicóptero da polícia foi alvo de disparos, mas não chegou a ser atingido.

Policiais derrubaram dois muros, no alto do Morro da Mineira, que serviam de escudo para bandidos. Dali, os traficantes atiravam em quem subia a Rua Itapiru.

A polícia ocupa os pontos principais dos três morros. Foram apreendidos até agora cerca de 300 quilos de maconha.

O DIA ONLINE

sábado, 22 de janeiro de 2011

Mais um PM é assassinado na Washington Luís

Rio - Um policial militar do 15º BPM (Duque de Caxias) foi executado no início da manhã de hoje na rodovia Washington Luís, em Duque de Caxias, na altura do quilômetro 121 da pista sentido Rio.

O cabo havia acabado de deixar o serviço e seguia para casa quando o crime aconteceu.

Ele chegou a ser socorrido, mas morreu a caminho do hospital. Nenhum pertence foi roubado.

Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia

O cabo da PM estava dentro do carro e voltava para a casa no momento do crime | Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia

A arma usada pelo policial, que ainda não teve o nome divulgado, estava dentro do carro.

O cabo trabalhava na sala de operações e não havia denúncia de má conduta contra ele.

Por causa da perícia realizada no local do crime, o trânsito ficou congestionado.

O PM estava fardado e há a possibilidade de que um "bonde" pasou pelo local e atirou contra ele.

O DIA ONLINE

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O Número de mortos passa de 780 na Serra

A tragédia que mudou a geografia da Região Serrana começou na noite do dia 11 de janeiro

Rio - Subiu para 790 o número de mortos na tragédia da região serrana do Rio, com a enxurrada que atingiu vários municípios na madrugada do dia 12. O balanço é da Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Estado.

Nova Friburgo é o município mais castigado pelo temporal teve até agora com 381 mortos, Teresópolis contabiliza 316 vítimas, Petrópolis tem 66 e Sumidouro 22 mortos. Já São José do Vale do Rio Preto contabiliza quatro mortos e Bom Jardim, uma vítima fatal.

Nova Friburgo - 381 mortos

Teresópolis     – 316 mortos

Petrópolis       66 mortos

Sumidouro      -  22 mortos

S J V R Preto   -  04 mortos

Bom Jardim    -  01 morto.

Petrópolis é a cidade da região serrana com maior número de desalojados: ao todo são 3.600. O município tem ainda 2.800 desabrigados. Nova Friburgo soma 3.220 desalojados e 1.970 desabrigados. O município de Teresópolis tem 960 desalojados e 1.280 desabrigados.

Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

Casa no condomínio Lago dos Patos, em Nova Friburgo, é destruída após as chuvas | Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

O último balanço oficial da Polícia Civil registrou 765 mortos, sendo 367 vítimas fatais em Nova Friburgo, 309 em Teresópolis,  63 em Petrópolis, 21 em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e uma em Bom Jardim.

Região Serrana enfrenta a pior catástrofe de sua história

Foto: Ernesto Carriço / Agência O Dia

Sapataria no Centro de Teresópolis teve queda de cerca de 70% nas vendas: setor deve se reerguer em 45 dias, disse presidente da associação | Foto: Ernesto Carriço / Agência O Dia

Castigada por um temporal que fez chover em 24 horas mais do que era esperado para todo o mês, a Região Serrana do Rio enfrenta desde a noite da terça-feira 11 de janeiro a pior catástrofe natural do Brasil. Com o número de mortos, desabrigados, desalojados, feridos e desaparecidos, a tragédia já superou o registrado em janeiro do ano passado, em Angra dos Reis e, em abril, na capital e Niterói.

Localidades inteiras foram soterradas por lama no município de Teresópolis. No bairro Caleme, uma represa da Cedae transbordou por causa da tromba d’água, provocando o deslizamento de encostas sobre casas e carros. Em Nova Friburgo, três bombeiros que seguiam para resgatar vítimas quando o carro onde estavam foi soterrado por uma avalanche.

Petrópolis também sofreu devastação em diferentes pontos. O Distrito de Itaipava foi o mais atingido. O soterramento de uma casa na localidade Vale do Cuiabá matou 12 pessoas de uma mesma família. Corpos foram recolhidos por moradores e depositados às margens de um rio à espera de resgate. Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto, também cidades da região, também contabilizam mortos.

As informações são da Agência Brasil

O DIA ONLINE

Encontrada recém-nascida que estava sumida no RJ, diz comandante

Segundo o comandante, ela estava enrolada num lençol.
Criança tinha desaparecido de dentro de casa nesta sexta-feira (21).

Do G1 RJ

A recém-nascida que tinha desaparecido no conjunto habitacional Nova Sepetiba, no bairro Areia Branca, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, foi encontrada na tarde desta sexta-feira (21).

Segundo informações do tenente-coronel Danilo Nascimento, comandante do 27º BPM (Santa Cruz), a menina, com 20 dias de nascida, estava enrolada num lençol e foi achada no banco de uma praça.

Ainda de acordo com o comandante, os policiais estavam procurando a criança, quando receberam uma informação de um pedestre, sobre o local onde ela estava.

A menina foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Cruz. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde.

Ninguém foi preso. O caso foi registrado na 36ª DP (Santa Cruz).

G1 -  Rio de Janeiro

Viva Rio precisa de voluntários para a campanha S.O.S Região Serrana

O Globo

RIO - O Viva Rio precisa de voluntários que tenham carro 4X4 (de qualquer tipo: Pajero, Hillux, S10, Troller, Tucson, L200 etc) para buscar doações em sua sede (na Rua do Russel 76, Glória) e levá-las a bases em Teresópolis e Nova Friburgo.

Também são necessários profissionais de saúde voluntários para atuar nas ações emergenciais do Viva Rio nas bases montadas na Região Serrana.

Quem quiser ajudar deve entrar em contato, pelos telefones 2555-3785 ou 2555-3750 (ramais 3325, 3326, 3256); ou pelos e-mails: progvoluntariado@vivario.org.br e silviaseixas@vivario.org.br (este apenas para os profissionais de saúde voluntários).

Extra Online

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Em uma semana, Bope resgata mais de 800 vítimas na Região Serrana

PMs ficarão na região pelo tempo necessário para resgate de vítimas.
Número total de mortos na região passa de 760 desde terça (11).

Rodrigo ViannaDo G1 RJ

Em uma semana, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) resgataram 816 vítimas das chuvas que atingiram a Região Serrana do Rio. A Polícia Militar informou nesta quinta-feira (20) que 60 policiais do Bope, do Grupamento Aéreo Marítimo (GAM) e do Grupamento Especial de Salvamento e Ações de Resgate (GESAR) estão na região desde a última quinta (13).

Policiais do Bope ajudam no resgate de vítimas da Região Serrana

Policiais do Bope ajudam no resgate de vítimas da Região Serrana (Foto: Divulgação / Polícia Militar)

Dos 816 resgates realizados, de acordo com a PM, 645 foram de vítimas com vidas e sem ferimentos, 13 feridos, 8 mortos e 150 atendimentos assistenciais. Além disso, as equipes conseguiram desobstruir 17 vias. O número de mortos em toda a região deste terça-feira (11)passa de 760 em seis cidades, segundo prefeituras e Defesa Civil.

Os locais atendidos até o momentos foram: São Geraldo, Pilões, Campo Coelho, Vale dos Pinheiros, Santo André, Conquista, Vieira, Prainha, Solares 1 e 2, Mariana, Sumidoro, Bonsucesso, Gramandu, Três Cachoeiras, São José do Vale do Rio Preto e Sabastiana. Os PMs ficarão na região pelo tempo necessário para resgate de vítimas.

Bebê que sobreviveu às chuvas na Região Serrana foi resgatado por um policial do Bope

Bebê que sobreviveu à tragédia na serra foi salvo
por um policial (Foto: Divulgação / Polícia Militar)

Segundo o capitão Ivan Blaz, a base do Bope foi montada no Campo de Coelho, mesmo local onde, mais cedo, ocorreu um acidente com um helicóptero militar. Em nota, o Comando Militar do Leste (CML) afirmou que queda foi devido a um forte vento quando a aeronave pousava. Peritos irão investigar as causas do acidente.

Ainda de acordo com o Exército, cinco pessoas que estavam a bordo ficaram feridas, sendo três militares e dois voluntários da Cruz Vermelha. Todos tiveram ferimentos leves e foram levados para um hospital da região.

No entanto, a assessoria de comunicação da Cruz Vermelha informou que apenas o presidente da Cruz Vermelha de Teresópolis, Herculano Abraão, estava no helicóptero. Ele sofreu escoriações leves e foi atendido no Hospital de Campanha dos bombeiros em Nova Friburgo. Segundo a assessoria da Cruz Vermelha, ele passa bem.

De acordo com a Força Nacional de Segurança (FNS), não há mais áreas isoladas e algum tipo de assistência já chegou até nas regiões de difícil acesso.

Recuperação das estradas

As rodovias de acesso à região estão sendo recuperadas. Na RJ-116, por exemplo, o tráfego ainda está em sistema de pare e siga em dois trechos: no km 75, em Muri, onde está sendo concluída a obra de recuperação do sistema de drenagem da pista, com instalação de manilhas e realização de aterros, e no km 92, no Vale do Tainá, onde por enquanto só é permita a passagem de veículos leves.

G1 - Chuvas no RJ

Ex-vereador de Magé é preso por suspeita de participação em morte de grávida

Herculano Barreto Filho

Milton Martinez Luna Júnior, de 38 anos, ex-vereador de Magé e funcionário da prefeitura da cidade, foi preso temporariamente nesta quarta-feira à tarde, suspeito de participação na morte da garota de programa Edilma Maria Ferreira, morta quando estava grávida de 8 meses, em abril de 2009. O político, que teria tido um relacionamento amoroso com a vítima, foi encontrado na sede da prefeitura e conduzido à 9 DP (Catete), no Centro do Rio.

O corpo da garota de programa foi encontrado com marcas de tiros em 22 de abril de 2009, às margens da Avenida Brasil, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Com a quebra do sigilo telefônico dela, em investigação conduzida pela 36 DP (Santa Cruz), a polícia identificou duas ligações feitas do celular de Milton na noite anterior, quando a vítima foi vista pela última vez.

A primeira ligação foi registrada às 18h30m. A segunda, às 23h, dez minutos antes da morte de Edilma. Segundo a polícia, o celular foi registrado pelo ex-vereador três dias antes do crime.

— O crime foi motivado pela necessidade de ocultar a gravidez da vítima — disse o inspetor Gerson Muguet.

Na investigação, a Justiça também pediu a prisão temporária do ex-PM Alexandre da Silva Monteiro, preso desde 2009 pelo envolvimento com milícias na Pedra de Guaratiba.

Bruno de Brito Alves de Souza e Renato da Silva Santos e o ex-PM Davinilson Freitas dos Santos, foram investigados por suspeita de participação no crime. Segundo uma amiga, Davinilson também era ex-namorado da garota de programa.

Na delegacia, ontem à tarde, Milton se apresentou como um pai de família dedicado e evangélico praticante. Articulado e demonstrando tranquilidade, negou ter tido qualquer tipo de contato com a vítima e disse desconhecer os outros suspeitos.

— Sou um pai de família e acredito na justiça de Deus.

Casado, ele tem quatro filhos com a mulher, com idades entre 14 e 6 anos. Também é pai de um menino de 3 anos, fruto do relacionamento com uma secretária. Funcionário da prefeitura, ele disse que seria chamado para assumir a secretaria da Fazenda na próxima semana.

Casos de Polícia - Extra Online

Exército afirma que helicóptero sofreu queda em Friburgo

Segundo o Comando Militar do Leste, queda ocorreu devido a forte vento.
De acordo com Exército, cinco pessoas tiveram ferimentos leves.

Do G1 RJ

helicóptero Friburgo

Exército afirma que helicóptero militar caiu em Friburgo (Foto: Marcelo Piu / Agência O Globo)

O departamento de Comunicação Social do Comando Militar do Leste (CML) enviou uma nota afirmando que o helicóptero militar que trabalhava no resgate das vítimas da chuva na Região Serrana do Rio sofreu uma queda em Nova Friburgo, no início da tarde desta quinta-feira (20).

Anteriormente, o Exército estava investigando se a aeronave tinha caído ou feito um pouso forçado.

helicóptero Friburgo

Segundo Exército, não houve mortos (Foto: Marcelo Piu / Agência O Globo)

Segundo o CML, a queda ocorreu devido a um forte vento quando o helicóptero estava pousando, no bairro Campo do Coelho. O Exército informou que peritos irão investigar maiores causas do acidente aéreo.

Ainda de acordo com o Exército, cinco pessoas que estavam a bordo ficaram feridas, sendo três militares e dois voluntários da Cruz Vermelha. Todos tiveram ferimentos leves e foram levados para um hospital da região.

No entanto, a assessoria de comunicação da Cruz Vermelha informou que apenas o presidente  da Cruz Vermelha de Teresópolis, Herculano Abraão, estava no helicóptero. Ele sofreu escoriações leves e foi atendido no Hospital de Campanha dos bombeiros em Friburgo. Segundo a assessoria, ele passa bem.

Vítimas da tragédia

O número de vítimas na Região Serrana do Rio já passa de 740 em seis cidades.

Pelos últimos levantamentos dos municípios, são 359 mortos em Nova Friburgo, 300 em Teresópolis, 62 em Petrópolis, 22 em Sumidouro, 6 em São José do Vale do Rio Preto e 1 em Bom Jardim.

Os trabalhos de busca na região continuam nesta quinta-feira (20).

G1 - Chuvas no RJ

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Mulher quebrou dedos cavando para salvar filhos na Região Serrana

Os três quase foram enterrados vivos’, disse a doméstica Cleide Cardoso.
Moradora de Teresópolis, ela perdeu a casa depois das chuvas.

Henrique Porto Do G1, em Teresópolis

Cleide quebrou dedos ao cavar para salvar os filhosd em Teresópolis

Cleide aparece de braço engessado com grupo de
parentes em Teresópolis (Foto: Henrique Porto/G1)

As fortes chuvas que atingiram a Região Serrana do Rio na última semana não param de revelar histórias de heroísmo e superação. Um novo exemplo disso é a doméstica Cleide Cardoso que, cavando com as próprias mãos, conseguiu salvar a vida dos filhos João Pedro, de 3 anos; Giovana, de 8; e Juliana, de 11.

Moradora do bairro Parque do Imbuí, em Teresópolis, ela conta que sua casa desmoronou depois de um deslizamento de terra. Cleide conseguiu se desvencilhar da água, da sujeira e da lama, mas seus filhos não. Foi então que começou a gritar e cavar para poder localizar e libertar os filhos dos escombros.

“Quebrei dois dedos da mão esquerda em três partes cada um. Na hora, não senti nada. Mais importante era salvar a vida das crianças, que berravam por socorro. Já perdi tudo, não ia aguentar se os perdesse também”, contou Cleide, que só não conseguiu salvar o cachorro de estimação.

Ela achou abrigo provisório na casa de Aurelina Fróes, no bairro Vale do Paraíso. Dona de uma confecção, também é proprietária de casas para alugar. E utilizou um de seus imóveis vazios para alojar um grupo de 23 pessoas.

“Encontrei essas pessoas na garagem de uma casa aqui na rua. Convidei todos para ficarem comigo. E já disse que só saem quando arrumarem outro local para morar, porque aqui eles estão bem assistidos”, disse Aurelina, que também cedeu o espaço para o pai, a irmã e os sobrinhos de Cleide, que moravam em casas localizadas no mesmo terreno que ela.

Abraçada aos filhos, Cleide se emociona e mostra gratidão à nova amiga. “Essa senhora nos ajudou muito. Não vou esquecer o que ela está fazendo pela minha família”, agradeceu a doméstica.

G1 - Chuvas no RJ

Moradores ilhados improvisam ponte para chegar ao Centro de Bom Jardim

Depois de ficar uma semana ilhados, moradores dizem estar aliviados.
Por causa das chuvas, um trecho da rodovia RJ-116 foi destruído.

Do RJTV

0,,45218656,00

Moradores da zona rural de Bom Jardim, na Região Serrana do Rio de Janeiro, que estavam ilhados há uma semana, já conseguem chegar ao centro do município por uma ponte improvisada. A viagem entre Nova Friburgo e Bom Jardim, que era feita em pouco mais de vinte minutos, está levando mais de uma hora.

Como todas as pontes foram destruídas, voluntários decidiram improvisar e construíram uma ponte de madeira que liga as áreas mais prejudicadas ao centro. Na tarde desta quarta-feira (19), o movimento foi tão grande que muitas pessoas tiveram que esperar para fazer a travessia.

Depois de ficar uma semana ilhados, moradores dizem estar aliviados. Um idoso de 60 anos que passava mal pôde ser levado para o hospital. Voluntários que ergueram a ponte ajudaram no socorro. A tragédia das chuvas já deixou 742 mortos em seis cidades. Ainda há pelo menos 17 localidades em que só é possível chegar de helicóptero ou carro 4x4.

Por causa das chuvas, um trecho da rodovia RJ-116 foi destruído faltando dois quilômetros para chegar ao município de Bom Jardim. A ponte foi arrastada pela força do rio. Na encosta, operários e máquinas trabalham na construção de um desvio. Agora que parou de chover, carros e motos conseguem seguir por uma estrada de terra batida.

Os distritos foram castigados. Casas não resistiram à enxurrada e desabaram. Boa parte dos moradores ainda está sem água e sem luz. A água chegou quase no teto de um posto de saúde e a grande quantidade de lama dificulta o acesso. O posto ficou completamente destruído.

Vítimas

Segundo a prefeitura de Bom Jardim, na terça-feira (18), foi encontrado o primeiro corpo na cidade, oficialmente, no distrito de São José do Ribeirão. Quatro pontes caíram, dividindo a cidade em quatro regiões. Há muitas áreas em que a ajuda só chega de helicóptero. Entre elas: Banquete, São José do Ribeirão, São Miguel, Bem te vi, Bom Destino e Jardim Boa Esperança.

Toda a frota da prefeitura foi destruída pelas águas, o que dificulta o acesso das equipes de resgate e serviço na cidade e 1.200 pessoas estão desalojadas e 700

G1 - Chuvas no RJ